04/01/13

9:00

- Um galão morno e um queque simples se faz favor.
- É para já.
- Obrigado.
- Pedido do costumo, estou a ver.

Eras tu. Claro que eras tu, és sempre tu. Mesmo sítio, mesma hora. Sabes, sempre gostei desses teus olhos castanhos que me fazem lembrar o campo e a liberdade que sempre senti em mim.

- E este senhor paga! - acrescentei para a empregada.


5 comentários:

Lyn disse...

so simple and yet...

kiss **

Ki disse...

Ora aí está, quem o mandou meter-se na conversa?

Rita Barbosa disse...

e tens sempre as palavras certas não é? parece-me bem que sim (:

Rita Barbosa disse...

oh sim é verdade, c o tempo tudo passa mas chega aquela altura em que alguma coisa te faz relembrar. descrevi a situação como se fosse agora e no entanto já se passaram 7/8 anos desde que ela partiu... foi uma perda maior do que qq outra, era o porto de abrigo de toda a gente dentro desta família, e relembro-a como a melhor mãe de todos nós.

vera sofia. disse...

segui :)