23/11/11

AB

Olá, digo eu, tudo bem? Responde com honestidade, porque mentiras aqui não há, e começa um longo diálogo. Somos capazes de falar sobre sonhos, ambições, o nosso dia, o nosso estado de espírito, incluindo as reticências. Nostálgicos brilhos, são até mesmo prováveis de aparecer. Qual aponia, qual mentira, nada! Nada de nada! Correntes de ferro frágeis e fortes, agarram-se às duas extremidades que alcançam. Eu e tu. Ai loucuras, que isto dura tão pouco, ou não, e pesa tanto, ou sim, devido a razões. Influências, é disso que somos feitos. Um pequeno parentes, portanto. Ora sim, pesa ou doí, ou apazigua, ou tudo o mais pode fazer. Já sabes do que falo? Então desprende-te da corrente e foca a visão em mim. Para onde olhas, pergunto. Para os teus olhos, sempre, respondes.


Ora pois bem, é isso.
Tudo, num pequeno e simples olhar.

1 comentário:

blessedwithacurse.blogspot.com disse...

Gosto :) principalmente do inicio do texto!