04/07/10

Não foi preciso grande trabalho, o nevoeiro tratou do resto.

Não havia ninguém naquele sitio, como sempre. Não estava nada fora do normal, como sempre. Ela sempre tinha sido assim. Mas naquelas noites, com aquela fumagem natural por cima dela, ela não era ela. E naquela noite, ela sabia que algo de estranho se passava. 

Enquanto ele caminhava cada vez mais para a escuridão, ela ia perdendo a vida. Cada passo accionado por ele, era menos uma batida no coração dela. E ele, consciente disso, acelerava o passo.
Ele não teve que fazer muito para acabar com o seu tormento, com aquela loucura de amor. Durante uns dias espiou'a, a sua namorada, futura noiva, até perceber o seu dia-a-dia. Sabia onde ela ia estar, a que horas, com quem, tudo. Só tinha que apanhar a altura certa. E assim foi, naquela noite as condições para o fim eram, como que perfeitas. Era uma noite cerrada e completa. Escura e sem lua, era despida. Um nevoeiro cobria tudo e escondia o resto, apagava tudo por onde passava, e comia o que sobrava. Ela tinha saído da reunião de emprego e dirigia'se para casa. Morava a dois quarteirões e não era a primeira vez que andava, à noite, a altas horas da noite, sozinha, naquelas ruas. E, sem medo, continuou o caminho para casa. A seguir à curva da loja de ferramentas, havia um pequeno parque. Ela atravessou'o, como sempre, virando à direita do chafariz. De um segundo para o outro, ela estava deitada no chão, degolada. Quem diria que atrás daquela árvore estava o meu anjo da morte ?
Pois bem, ele sabia que ela ia passar por ali.
Ele esperou até ouvir o reconhecível som dos saltos daqueles sapatinhos vermelhos. Sabia também que ela trazia vestido uma camisa rosa e uma saia preta. O cabelo estava atado com um gancho castanho, cor do seu cabelo, e a mala, pequena, era carregada debaixo do braço. Continuou atrás do carvalho do parque à espera que o aroma de pele, da sua noiva, lhe passasse pelas entranhas. Quando isso aconteceu, ela morreu. Foi simples, tão simples, que ele nem conseguiu admirar e desfrutar o momento como pensava fazer. Mal ela cruzou a árvore, ele deu um passo e colocou'se atrás dela. Levou a faca ao pescoço que tantas vezes beijara, e, num simples movimento, cortou aquela delicada pele. Enquanto isso, tapou'lhe a boca, com todo o cuidado, para não tratar mal os seus lábios preferidos. Concluído o movimento, deu um passo atrás e largou o corpo dela. Caiu no chão como um saco de batatas. Aquela cabeça morena embateu no chão, abrindo uma pequena fenda na testa. Ele virou'se, dirigiu'se ao chafariz, lavou as mãos, e seguiu caminho.
Enquanto se encaminhava para casa, ela ia morrendo, aos poucos e poucos, ali, sozinha e completamente acompanhada pelo nevoeiro. Este, cobria'a num manto espesso e húmido. Era como se chovesse. Ele seguiu rumo à sua vida sem aquela pedra no sapato enquanto o nevoeiro, também, lhe tapava o caminho. A borracha da natureza caiu sobre o parque, naquela noite com dois fins.

De manhã, só a torneira do chafariz, esquecida, ainda aberta, deitava água. Porque de resto, nada estava fora do sítio. O nevoeiro, de tudo tratou. Se ela não ia ser dele, se ela já não era dele, e ele sempre tivera sido, e era, dela, de mais ninguém ela ia ser.

42 comentários:

Ki disse...

Se andar, respirar e amar é para matar LOL
Amor levado ao extremo é obsessivo mesmo...

Qéé disse...

não me degoles, que eu serei só tua oh anjo da morte, :|


adorei amor, *O* [mas tem erros, corrije isso]

Borginhas disse...

que tristeza.. matar a futura esposa..

Marilena' disse...

e será que importa mesmo ?

Marilena' disse...

oh, obrigada :$

Marilena' disse...

oh, obrigada :$

Marilena' disse...

oh, obrigada :$

Marilena' disse...

oh, obrigada :$

Mel disse...

Desculpa nao te ter respondido:$
Sim são saborosooos(:


p.s: passei no exame de código, eu disse-te que ia dizer xD, apesar de estar postado no blogue xD.

Mel disse...

mais uma vez, adorei o teu texto! ESTÁ LINNDOO**

Mel disse...

eu sou muito insegura:/

Mel disse...

porque não gostas-te?

Mel disse...

este calor, mata-me!!!!!!!ODEIO CALOR.

Mel disse...

ensino-te siiim(:

Diana Teixeira ! disse...

se calhar naquele momento era o melhor para morrer , :x .
- O teu está mais LINDO , ♥ .

Mel disse...

olha que mauzinho!não tinha nada que desaparecer

Mel disse...

por acaso tinha xDD

Mel disse...

pois disses-te:$

Mel disse...

sou um bocadinho, e xanfrada também xD

Diana Teixeira ! disse...

não precisas de agradecer alexandre , :p .

Mel disse...

achas que eu ficava querida nele?XD

Mel disse...

epa vou ter que pedir ao meu pai! Queria mesmo um daqueles, preferia do que um mercedes xD

Mel disse...

com todo o prazer:D, mas vais ter coragem para andar com um perigo da estrada como eu?

Mel disse...

entao vamos dar uma voltinha! aquele carro dá muito estilo(:
de que cor punhas o carro?

Mel disse...

gostas de tons de pastel? eu gostava um de um verde sujo água, um salmão clarinho, um azul bebe sujo ou entao xD..amarelo torrado.

Mel disse...

opa, conheces tudo xD. Tenho que por aqui videos meus xD

VANESSA disse...

gostei muito do texto.

VANESSA disse...

são mesmo !
de nada , já li alguns textos teus , e gosto muito do que escreves $:

Mel disse...

amor fica mais bonito xD

Mel disse...

é muito mais querido(:

Mel disse...

sexo ja é mais grosseiro e porco xD

Mel disse...

nem era a minha intençao falar, estava-me a referir á palavra xD

Mel disse...

não sou assim tão tarada!xD

Mel disse...

ai és??agora o caso muda de figura :P

Mel disse...

caraças, a sério?

L.E disse...

Está lindo , escreves mesmo muito bem +.+
Vou seguir Alexandre :)

L.E disse...

Eu já vi alguns dos outros e gostei muito também :)

Mel disse...

Opáá, acho que isso é lindo xD

VANESSA disse...

alguns textos antigos , e também já tive a ver o teu outro blog $:

Mel disse...

A sério? o que aconteceu?
É lindo admitires(:

MartaCristina disse...

AI GOSTEI TANTO ALEXANDRE,

é mesmo o tipo de texto que gosto, dispensas ja elogios ,)

<3

Adriana Cunha disse...

Invadi isto para dizer que gostei do texto e em especial, do lado negro retratado ao pormenor*